Curso ensina gastronomia e independência financeira em BH

Os cursos de educação culinária dão aos transgêneros de Belo Horizonte a oportunidade de ganhar independência financeira por meio da capacitação de pessoas que são baseadas no desenvolvimento pessoal, nível, participação e proporcionam oportunidades emocionais e de emprego.

O Gororoba oferece aulas de diversas áreas da culinária, como massas, pães, carnes, frutos do mar, entre outros, com duração de dois meses e aulas duas vezes por semana na cozinha do curso de gastronomia da Faculdade Arnaldo, no Bairro Funcionários. Aos selecionados para participar são fornecidos material didático e aventais, além de suporte financeiro para o transporte, como forma de evitar a evasão.
Paola Manuela chegou ao Gororoba por meio de uma amiga, que participou da primeira edição. E, desde então, quis fazer o curso, depois de ver um cartaz sobre o projeto na república onde mora. Depois de muitas portas fechadas ao longo da vida, foi uma das selecionadas para a turma de 2021, que começou em 19 de julho. Quando perguntada se o curso pode mudar sua vida, Paola afirma: “Já está mudando. Desde o dia que fiz a inscrição, eu senti aquela energia boa e falei: ‘Eu vou conseguir'”, comemora.
O chef Carlos Normando, um dos idealizadores do projeto, disse que a proposta inicial era criar um curso de gastronomia para adolescentes. Mas, após uma mulher trans contar a ele que nos dias em que trabalhava na cozinha de um restaurante não precisava fazer programas à noite, Carlos Normando decidiu fazer algo para ajudar a comunidade trans.
Foi então que ele e a produtora cultural Eloá Mata realizaram encontros com assistentes sociais, pessoas trans e integrantes do Centro de Referência LGBT, da Prefeitura de Belo Horizonte, para reescrever o projeto. A proposta foi selecionada pelo Fundo Municipal de Cultura e teve sua primeira edição em 2018, no Centro de Referência da Juventude, na Praça da Estação, com apoio do Centro Universitário Una e uma turma de 25 alunos. “O diálogo tem sido a força motriz do Gororoba”, diz Carlos.

“Vim como aluna, hoje estou aqui como profissional”

Depois de participar da primeira turma do Gororoba, Paloma Nobre hoje é cozinheira do Fubá, restaurante do Mercado Novo, no Centro de BH, e retornou ao Gororoba nesta segunda edição como assistente de cozinha dos professores, como forma de gratidão pela oportunidade que teve. “Vim como aluna, hoje estou aqui como profissional. Fui escolhida e pude escolher com quem iria trabalhar. Então, o projeto dá certo sim, basta você querer e levar a sério”, afirma Paloma, que pretende retornar em uma próxima edição como professora.

“Nossa ideia o tempo todo era levar essas pessoas para a universidade, para um outro espaço, para alguma cozinha que fosse profissional, com professores, com chefs renomados, para terem essa experiência mesmo, que eu acho super importante”, diz Carlos. Segundo o chef, o espaço na Faculdade Arnaldo tem sido fundamental, não apenas pela infraestrutura, mas também por a instituição atuar ativamente em questões socioculturais, acolhendo a equipe e alunos. “Não só estão cedendo o espaço, eles nos acolheram”, afirma.

Expansão no cardápio

Em 2019, Eloá e Carlos inscreveram o projeto no edital do Itaú Unibanco e Mais Diversidade e, entre aproximadamente 600 inscrições, foram um dos quinze selecionados para a segunda fase e aprovados pela banca avaliadora para serem realizados. Porém, o projeto, que se realizaria em 2020, teve de ser adiado devido à pandemia de COVID-19.

“Para além do fato de a cozinha exigir ser presencial em si, o público que a gente atende nem sempre tem acesso à internet, a gente atende muitas pessoas em situação de rua, que moram em abrigo, albergue”, explica Eloá. A própria divulgação do curso é bastante pautada na distribuição de cartazes em locais-chave da capital mineira, como o Centro de Referência LGBT e abrigos para pessoas trans.

Via: Estado de Minas